Loading...

Pesquisar este blog

terça-feira, 16 de agosto de 2016

18 ANOS DEPOIS...

          São  exatamente  10 meses  sozinho. Sozinho,  sozinho  sem  ninguém. Não como das outras vezes que fiquei solteiro em que eu estava  sempre acompanhado  de uma e até mais  paqueras, peguetes, chamegos e afins.
           Desde que eu comecei a namorar sério ( eu tinha 19 anos) a única vez em que fiquei sozinho foi quando me mudei  de Montanha-Es para Salvador-Ba. Isso já fazem 18 anos. Nesse período de transição eu havia deixado  uma namoradinha  em minha cidade e passei longos nove meses  solteiro (sem ninguém) até começar o meu primeiro relacionamento em terras baianas. Desde então; venho emendando relacionamentos  em relacionamentos. Saindo de um  e entrando direto em outro a 18 anos sem parar.
          E desde meu último namoro ( acabou em outubro de 2015),  resolvi  cuidar  de mim; da minha vida. E parece que venho conseguindo bons  resultados (Eu acho).
          São já 10 meses  sem ninguém, e exatamente agora eu percebo que  não quero  (ou tenho medo) de entrar em outro relacionamento. Esse tempo só me fez  compreender  vários aspectos de minha personalidade  que eu nunca pude atentar por não ter parado nunca  em 18 anos pra ter um momento como esse.
          Passei a analisar todos os meus relacionamentos,  tudo que fiz de errado,  tudo que fiz de certo; tudo o que erraram comigo e tudo que acertaram. E foi difícil perceber quanta coisa eu fiz de errado.
Depois de 18 anos de diversos relacionamentos ( 5 os mais sólidos), e  após 10 meses repensando minha vida, eu descobri que não estou pronto como eu achava que estava. E descobri que as marcas que deixaram em mim são muito mais profundas  do que eu imaginava.
          Eu nunca tive tempo de chorar pelos términos, nunca analisei  nada. Simplesmente seguia, mas percebi que na verdade eu não seguia; eu só fazia acumular e  despejar todas as frustrações e expectativas de um relacionamento anterior, na pessoa que vinha logo a seguir.
          Tive até oportunidades nesse tempo de  começar algo com alguém, em certos momentos até quis; mas o medo de colocar sobre ela o peso da minha trajetória foi  grande. Não quero me frustrar, não quero frustrar ninguém mais que  chega cheio de sonhos achando que minha idade pressupõe maturidade pra lidar com certas questões.
          Às vezes eu  gostaria de não ter  a experiência de ter passado por muita coisa. São dores que eu não gostaria de carregar mas que estão aqui. Não sei exatamente até onde vou com meu estado  atual; sozinho; mas no momento meu medo de fazer tudo errado novamente é maior do que  a coragem pra tentar acertar.

Deibith Brito.

16 comentários:

  1. Tive esse "choque" ano passado, e confesso que não fiquei nada bem ao cair na real do que eu estava fazendo com a minha vida. O luto é necessário!
    Esse texto vc colocou em palavras o que estava na minha cabeça quando a ficha caiu. Parabéns, eu sou sua fã! 😘

    ResponderExcluir
  2. Obrigado por ter lido e comentado Lai. Infelizmente pra mim e pra algumas pessoas eu só me dei conta agora. O luto é necessário.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom texto. O luto é necessário para que saibamos quem somos e o que buscamos. Que não somos folhas secas levadas pelo vento...
    O luto é necessário para que nos reencontremos e que saibamos quem verdadeiramente deve trilhar essa existência conosco.
    O luto é necessário para que compreendamos que estamos nessa existência afim de evoluirmos e que a oportunidade dada não deve ser desperdiçada por ações fúteis ou prazeres transitórios.
    O luto é necessário para que enfim possamos desfrutar a doce presença de quem verdadeiramente viemos encontrar.
    Muita paz!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Leila pela bela contribuição. Acho que "nos reencontrar" é o que define. O luto é necessário. Muita paz pra ti também!

      Excluir
  4. Me vi em Suas palavras ! Precisamos ter cuidado ao entrar no coração de outrem e tomar os cuidados necessários com quem vamos deixar entrar no nosso.
    Este tempo é bem mais que necessário para organizar as emoçoes e sentimentos acumulados que muitas vezes não sabemos como lidar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixamos marcas, ficamos marcados. Sempre sempre. O tempo ajuda a minimizar os danos.

      Excluir
  5. Ótimo texto Deibith. Acima de tudo, muito verdadeiro!

    ResponderExcluir
  6. Ótimo texto Deibith. Acima de tudo, muito verdadeiro!

    ResponderExcluir
  7. Profundo, direto e impactante.
    Muito bom!

    ResponderExcluir
  8. Deibith, parabéns pelo texto!!! (Me vi em alguns trechos...)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta generosidade, expor sua intimidade...
      Tenho tanto que comentar do texto, por me reconhecer em tantos trechos. Em admitir que N ESTOU PRONTA... Em reconhecer o medo.
      Mas meu texto seria inverso em sua essência, devido aos pouquíssimos relacionamentos vividos. Fiquei com vontade de reescrever o texto, apropriando-me da essência do seu e parafraseando-o c base na minha história. Interessante constatar que... Muitos ou poucos relacionamentos podem conduzir a um encontro de sentimentos comuns- o medo da falta de garantias q os relacionamentos nos trazem.
      A possibilidade de AMAR nos reduz a uma eterna imaturidade sentimental, q nada tem a ver com idade. DesSe modo, somos sempre infantes nessa jornada. Amar renova!

      Excluir